Fátima Lopes faz revelações polémicas

«Estou-me nas tintas e a borrifar para as audiências»

Partilhar no Facebook
132 132 Partilhas

A apresentadora das tardes da TVI, Fátima Lopes, fez revelações polémicas ao assumir que as audiências são pouco importantes para o seu dia a dia.

«Estou-me nas tintas e a borrifar para as audiências», referiu a apresentadora sem papas na língua.

A entrevista com a apresentadora da TVI pode ser lida na Revista Nova gente e também na última edição impressa da revista.

Fátima Lopes revela momentos dramáticos quando sofreu de bullying no trabalho

Fátima Lopes revelou no seu blogue Simply Flow que sofreu de bullying na sua primeira experiência profissional.

Tudo aconteceu quando terminou a faculdade e integrou uma empresa estrangeira, assumindo o cargo de responsável de marketing, mas nem tudo correu como esperava.

"Estava em fase de formação e embora nunca me tenha sentido muito à vontade com aquele que era o meu chefe e diretor da dita empresa, achava que era só uma impressão que iria passar. [...] Aos poucos o senhor foi-se revelando. Sempre que me chamava ao gabinete, eu saía transtornada.  Os gritos ouviam-se cá fora. A imagem física dele não ajudava. Era muito alto, com um ar imponente, nunca sorria e parecia trespassar-me com o olhar. Começava sempre com uma pergunta qualquer que, independentemente da minha resposta, era seguida de vários atestados de incompetência e estupidez. Sim, fazia bullying no trabalho. Tudo lhe servia. Diariamente tinha de ter uma vítima. Eu não era a única! Havia sempre alguém que ele chamava aos berros e que já sabia que ao entrar naquele gabinete, onde as conversas aconteciam quase sempre de porta aberta, ia ser humilhado, enxovalhado e mal tratado. Era impossível manter a auto estima com um chefe assim ou melhorar a confiança no nosso trabalho", começou por recordar.

Começou a tornar-se cada vez mais difícil aguentar esta situação, que acabou com Fátima Lopes a entregar a carta de demissão: "Perguntava-me todos os dias quanto tempo iria aguentar aquele ambiente. [...] Chegou a um ponto em que aos domingos à noite, já entrava em ansiedade. A minha médica de família mandou-me ficar de baixa, para proteger a minha saúde emocional. Assim fiz, mas assim que chegou a data de regresso ao trabalho, tudo se repetiu. Sempre lidei mal com gritos e com gente que grita. Andava sempre triste, o que não joga nada comigo que sou uma alma alegre e bem disposta. Até que um dia, depois de conversar com o meu ex-marido, decidi que, mesmo sem alternativa, ia despedir-me. Preferia arriscar a ficar ali a destruir-me. [...] A exigência daquela criatura trouxe-a comigo e também, por isso, hoje sou melhor profissional. Comportamentos deste tipo, nunca mais os permiti a ninguém."

Fátima Lopes conta assim como foi difícil o seu início de carreira.

Partilhar no Facebook
132 132 Partilhas

Fonte: Nova Gente · Crédito foto: Nova Gente