Hotel onde dormia Marcelo Rebelo de Sousa assaltado. Funcionários ameaçados

Presidente da República apanha susto em hotel

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Hotel onde dormia Marcelo Rebelo de Sousa assaltado. Funcionários ameaçados

O presidente da Republica já está em Lisboa, mas não se livrou de um pequeno susto. O hotel onde estava hospedado nas suas férias no Algarve foia assaltado na madrugada deste domingo.

Um encapuzado entrou na recepção do Hotel Pestana Alvor Praia, em Portimão, na madrugada deste domingo, e terá ameaçado funcionários conseguindo roubar cerca de 240 euros de um cofre.

O assessor do presidente da republica confirmou que Marcelo estava a pernoitar no hotel.  Fonte do Grupo Pestana confirmou ao CM a ocorrência. Segundo a mesma fonte terá sido um "furto simples sem recurso a armas". Nenhum cliente do hotel terá dado conta do sucedido, acrescentou a fonte.

Outros artigos:

Depois dos juízes, Marcelo promulga lei que aumenta em 700 euros o salário dos magistrados

Depois dos juízes, Marcelo promulgou a lei que aumenta em 700 euros o salário dos magistrados. O Presidente da República promulgou o diploma que aprova a nova tabela salarial para os magistrados do Ministério Público (MP), que prevê aumentos até 700 euros.

Os procuradores-gerais-adjuntos ao atingirem o topo da carreira ganham assim mais que o primeiro-ministro. A leia aprova ainda o aumento de 12 para 14 vezes ao ano o pagamento do subsídio de compensação.

Marcelo voltou a fazer os mesmos avisos quando promulgou as alterações nos salários dos juízes. Na página da Presidência, o Presidente “sublinha” e “reforça” a “chamada de atenção formulada para a necessidade da revisão, no início da próxima legislatura, do estatuto de carreiras com características substancialmente idênticas, como, nomeadamente, as das Forças Armadas e das Forças de Segurança”.

De relembrar que ao aprovar o aumento salarial dos juízes, Marcelo afirmou que desde 1990, os escalões mais elevados da carreira da magistratura judicial recebem vencimentos de base mais elevados do que o primeiro-ministro e que, “com o presente diploma, alarga-se e acentua-se essa disparidade”.

“Há uma multiplicação de responsáveis públicos com vencimento de base superior ao do primeiro-ministro, como entidades reguladoras e de supervisão, entidades públicas empresariais e empresas públicas ou outras entidades administrativas.

O outro facto, “ainda mais complexo”, é “o acentuar da desigualdade de tratamento em relação a outras carreiras com mais evidentes afinidades, nomeadamente a das Forças Armadas e as das Forças de Segurança”.

A carta de uma criança que emocionou Marcelo

O caso é de violência doméstica, e tem um culpado preso. No entanto, o caso está longe de resolvido, e é o filho de uma das vítimas quem pede justiça. E pede diretamente a Marcelo Rebelo de Sousa. 

Foi em Dezembro de 2013 que a família relatou o desparecimento de Marcelo Santos. Em Março, três meses depois, foi a irmã de Marcelo a ter o pior dos finais. Foi assassinada pelo ex-companheiro, que entretanto foi preso e condenado pela justiça a pena máxima. 25 anos de cadeia e uma confissão: ele também matou o ex-cunhado. 

No entanto, até ao dia de hoje, o corpo de Marcelo Santos não foi encontrado, e a família vice com essa incerteza. 

Agora, o filho de Marcelo resolveu pedir ajuda. E, numa carta aberta a Marcelo Rebelo de Sousa, ele faz um pedido emocionado, que está a sensibilizar não só o Presidente da República, como todo o país. 

Veja a carta do menino de 15 anos:

"Já passaram quatro anos e o meu pai continua desaparecido, morto, enterrado em local incerto e em terra de ninguém, pelo assassino (...) tenho ou não o direito de enterrar ou cremar o meu pai dando-lhe um enterro digno? Como pensam que se sentem os nossos avós, pais do meu pai e da minha tia, abandonados pela Justiça?. Desde dezembro de 2013 que a nossa vida tomou um rumo muito triste. Somos pessoas de bem. O meu pai e a minha tia eram pessoas de bem, seres humanos incríveis, mas alguém nos destruiu. Um assassino roubou-me a oportunidade de ser um jovem como todos os outros e de ter o pai mais meigo, dedicado e amigo. A minha tia era também maravilhosa. As pessoas precisam de viver, de fazer o luto e de sentir que a justiça existe. Por favor ajude-me, preciso de justiça como o ar que respiro".

Partilhar no Facebook
0 0 Partilhas

Fonte: www.cmjornal.pt · Crédito foto: www.cmjornal.pt