Disseram a esta mãe para levar o bebé anão para casa até ele morrer, mas a bebé prova os médicos errados 14 anos depois

Mas a mãe, Brianne, está determinada a dar à sua filha uma vida feliz e plena, independentemente dos obstáculos que enfrentam.

Partilhar no Facebook
262 262 Partilhas

Em 2003, BrianneJourdin deu à luz uma bebé. A pequena Kenadie pesava apenas 2 libras e meia e media apenas 11 polegadas.

Faltava-lhe uma parte do cérebro, e era tão pequena que as enfermeiras chamavam-na “Thumbelina” (thumb = polegar).

Os médicos disseram a Brianne que a sua filha iria provavelmente morrer de danos cerebrais em poucos dias.

Incerta sobre quanto tempo poderia passar com a sua filha, Brianne batizou Kenadie no dia em que nasceu.

“Era como velar”, disse Brianne. “A ideia da vida que ela iria ter foi destruída de repente.”

Kenadie, milagrosamente, viveu para além dos seus dias contados, e com 8 meses, foi diagnosticada com uma forma rara de nanismo. 

A doença causa envelhecimento precoce, fragilidade dos ossos, problemas respiratórios, entre outros.

Mas 14 anos depois, Kenadie está viva e de saúde, o que chocou os médicos que outrora disseram que iria morrer. 

“Ela é bondosa, e gosta de partilhar tudo com todos. Ela é irrequieta, determinada e independente”, disse a sua mãe.

Apesar da mesma altura desde os 2 anos, Kenadie vai a uma escola normal e participa em atividades extracurriculares, tal como os seus colegas.

Apesar de ter a mesma idade do que as suas colegas, o seu desenvolvimento académico é menor. Contudo, ela está determinada a aprender, e foca-se noutras coisas como cozinhar.

Ela também gosta de patinar e de jogar bowling com as suas amigas, e a sua mãe não podia estar mais orgulhosa da sua filha. 

“Faz-me sentir orgulhosa – faz-me chorar – Eu choro sempre que ela vai patinar. Tudo o que ela faz, faz-me chorar”, disse Brianne. “Ela mostrou que todos os médicos estavam errados. Ela desafiou todas as probabilidades. Ela já ultrapassou imensos obstáculos”.

Kenadie enfrenta ainda muitos riscos, mas o maior risco, é o de um aneurisma. Riscos como esse são tomados em atenção, e continuarão a ser até ao fim da sua vida. 

Apesar disto, a sua mãe Brianne está determinada dar-lhe uma vida feliz, independentemente dos problemas que enfrentem.

“Nós sabemos que a vamos perder – Perco o fôlego por momentos ao pensar nisso”, disse ela. “A minha maior esperança para o seu futuro é que ela seja feliz. Quero que ela seja feliz e que tenha sucesso”.

Partilhar no Facebook
262 262 Partilhas

Fonte: liftable · Crédito foto: liftable