Hospedeira torna-se atriz porno porque o trabalho “era muito duro”

hospedeira deixa profissão para ser atriz porno

Partilhar no Facebook
26 26 Partilhas

Hospedeira torna-se atriz porno porque o trabalho "era muito duro"

Laura Birbeck, de 27 anos, era hospedeira da  British Airways mas considerava o seu trabalho muito duro e por isso decidiu mudar de carreira. Para trás ficaram os carrinhos com refeições, os horários difíceis e as viagens diárias. A jovem decidiu tornar-se uma atriz porno.

A jovem terá mudado de nome  para Laura Laine e foi no Studio 66 TV que se estreou no entretenimento para adultos. Esta produtora de filmes pornográficos aposta em shows de strip e sexo com transmissão em direto na internet.

Laura trabalhou durante dois anos no aeroporto mais movimento do Reino Unido. Terá sido o desgaste da profissão e o~cansaço que a levou a trocar o o uniforme por lingerie sexy (e, depois, a nudez total).

Segundo uma amiga da jovem, foi quando ainda estava a trabalhar como hospedeira que começou a fazer os primeiros trabalhos nesta área.

"Não me espanta que ela tenha seguido esta carreira, porque foi algo que sempre a interessou. Trabalhamos juntas o ano passado e ela contou-me que andava sempre com uma câmara e um portátil em todos os voos que fazia. Quando chegava ao hotel, ligava os aparelhos e começava a performance. 

Aproveitava qualquer tempo livre que tinha, onde quer que estivesse para isso. Desejo-lhe o melhor, porque de facto o trabalho de assistente de bordo não é para toda a gente", afirma a amiga de Laura.

Laura acumula ainda trabalhos noutro site onde se despe em casa e transmite o show de striptease na Internet.AA jovem chegou a desabafar nas redes sociais os problemas que enfrentava no trabalho antigo:

"Quando era modelo não havia stress, trabalhava ao meu ritmo e vivia confortavelmente. Agora como assistente de bordo nunca tenho tempo para mim e estou sempre esgotada. Mental, física e financeiramente", escreveu no Twitter.

A jovem teve o apoio da família nesta grande mudança de carreira:

"Sinto-me uma sortuda por ter a melhor família e amigos, com uma mente aberta. Mostraram-me o que é apoio a sério e sou abençoada por ter isso. Muitas raparigas têm que manter as vidas em segredo e sentem-se envergonhadas por terem este trabalho. Ainda há preconceito nos trabalhos na industria do sexo", defende Laura.

Partilhar no Facebook
26 26 Partilhas

Fonte: www.cmjornal.pt · Crédito foto: www.cmjornal.pt