Mortes por envenenamento é comum entre as crianças! Saiba por quê!

Algumas semanas antes do Natal, Alyssa Alcaraz, de 12 anos, começou a se sentir mal.

Partilhar no Facebook
500 500 Partilhas

Alyssa Alcaraz, de 12 anos, começou a se sentir mal logo após o Natal e sua mãe Keila correu para o hospitalKawaeh Delta Medical Center na Califórnia, infelizmente, os médicos disseram para ela descansar, beber água e tomar um analgésico, diagnosticaram como uma gripe e informaram que logo a menina ficaria bem.

Mas, três dias depois, Alyssa morreu, a menina sofreu de um choque séptico e uma parada cardíaca. A doença conhecida como envenenamento por sangue chamada Sepse é conhecida por não ser diagnosticada a tempo.

O que ocorre é que a infeção se espalha pelo corpo inteiro e afeta os órgãos vitais. O sistema imunológico libera uma série de substâncias e faz com que os vasos sanguíneos percam fluidez e os órgãos acabam sendo afetados e levando a morte se não for diagnosticada a tempo. Os sintomas podem ser confundidos com gripe, pneumonia ou condições semelhantes.

O mesmo aconteceu com KylerBaughman, de 21 anos, estudante de personaltrainer Em menos de 24 horas, o jovem saudável morreu de Sepse, após ser diagnosticado com uma gripe!

Pippa, com apenas 3 anos foi diagnosticada com pneumonia. Rory, um menino de 12 anos de Nova Iorque foi levado ao hospital com umaferida que foi feita no ginásio, os 3 morreram em menos de 24 horas.

Como prevenir a sepse?

Para prevenir que mais casos ocorram aSepsis Alliance, divulga que 26 milhões de pessoas são afetadas por Sepse todos os anos no mundo, e que para prevenir que esse número aumente é importante manter uma boa higiene. Lavar e desinfetar as feridas sempre, independentemente de serem grandes ou pequenas. Manter as vacinas em dia

E alertar os médicos para que não haja confusão com gripe ou pneumonia.

Se você tem crianças em casa compartilhe essa informação para que outros pais possam se prevenir contra a Sepse!

Partilhar no Facebook
500 500 Partilhas

Fonte: historiascomvalor · Crédito foto: historiascomvalor