Notícias : Um homem encontra-se a poucos dias da morte, no entanto, a namorada bate-lhe constantemente
Que acha? Deixe o seu comentário aqui.  

Um homem encontra-se a poucos dias da morte, no entanto, a namorada bate-lhe constantemente

Ela batia-lhe.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
629 629 Partilhas

Um homem que foi vítima de abuso conjugal explicou que ele estava "a 10 dias da morte", quando finalmente foi libertado das garras da namorada psicopata.

O homem de 22 anos chamado Alex Skeel diz que sofreu abuso inimaginável daquela com quem partilhou a sua vida. A mulher em questão supostamente espancou-o várias vezes, derramando até água a ferver sobre ele.

O Daily Record relata que o homem estava proibido de comer regularmente, que ele era isolado dos seus amigos e familiares e que a sua namorada chegava a decidir o que ele vestia como roupa.

No início deste ano, a mulher de 22 anos chamada Jordan Worth admitiu que havia espanado Skeel em várias ocasiões e que agia de maneira controlada com o namorado, o que resultou numa sentença de prisão de um pouco mais de 7 anos.

Agora que Worth está atrás das grades e Skeel não tem nada a temer, ele decidiu quebrar o silêncio sobre o que ele passou nessa relação muito tóxica. Segundo Skeel, quando a relação dele com Worth terminou, os exames médicos informaram aos especialistas que o jovem estava a cerca de dez dias de morrer.

O casal tinha-se conhecido quando ambos tinham 16 anos de idade. De acordo com vários parentes, Skeel teria começado a sofrer com o comportamento muito controlador de Worth desde os primeiros dias da relação.

Mas foi durante os últimos 9 meses de relacionamento que as coisas tomaram um rumo ainda mais perturbador, já que Skeel foi espancado muitas vezes e frequentemente precisou de atenção médica.

Foi em junho do ano passado que o pesadelo de Skeel terminou quando um vizinho ouviu o casal a discutir ferozmente.

De acordo com os paramédicos que haviam recolhido o homem em sua casa, o seu corpo mostrava muitas marcas de queimaduras de segundo e terceiro grau que foram tratadas de maneira muito artesanal.

Como a mulher proibia o namorado de ir ao hospital para tratamento, vários dos ferimentos de Skeel haviam sido infectados ou não haviam cicatrizado o suficiente, o que exigiu vários procedimentos médicos.

Skeel espera que, partilhando a sua história, ele irá inspirar outros homens que estão a enfrentar esta situação a quebrar o silêncio e pedir ajuda.

Partilhar no Facebook
629 629 Partilhas

Fonte: Ayoye
Crêdito foto: Ayoye

Goste/partilhe