Uma mãe deixa o cordão umbilical do bebè ligado à sua placenta durante 9 dias

Uma prática que não deixa ninguém indiferente.

Partilhar no Facebook
141 141 Partilhas

Vanessa Fisher escolheu ter um bebé lótus, ela decidiu deixar o cordão umbilical do seu bebé ligado à sua placenta até que secasse e caísse sozinho.

A mãe explicou a sua escolha numa publicação partilhada por várias mães nas redes sociais.

"O meu interesse pelo nascimento lótus cresceu após a minha pesquisa inicial sobre opções de sangue do cordão umbilical. Descobri que mães deixam o cordão preso por vários minutos ou horas após o nascimento para permitir que a placenta pare de pulsar. Isso garantiria que havia tempo para uma transferência completa de sangue placentário para o bebé. Levar essa idéia um passo adiante, é o nascimento lótus. A idéia realmente tocou-me porque eu já tinha começado a tomar uma abordagem muito natural para essa gravidez, e era importante para mim remover interferências médicas desnecessárias. Foi muito cedo na gravidez que decidimos que isso seria adicionado ao nosso plano de parto.

Na minha mente, imagino que o bebé passe 10 meses no útero apenas sabendo que sua mãe lhe dá vida, que a placenta lhe oferece comida e que o cordão umbilical conecta ambos. Após o nascimento, o bebé é normalmente retirado do útero e separado do cordão e da placenta - uma série de eventos que eu imagino ser emocionalmente traumático para um bebé. Uma reintrodução à mãe do lado de fora não pode ser evitada, mas uma separação gradual do cordão umbilical e placenta parece mais emocional para o bebé. Eu acredito que, quando o cordão cai naturalmente e a placenta completar o seu trabalho, fornecendo nutrientes e sangue ao bebé, o bebé tem tempo para fazer uma nova conexão e depender do pai. 

Em primeiro lugar, o meu marido ficou surpreendido com a idéia, mas apoiou. Outros membros da família não gostaram da ideia. Eu acho que a maior relutância veio fo fato de ser uma escolha pouco familiar. Não encontrei as objeções de ninguém suficientemente válidas para reconsiderar a minha decisão. Métodos pouco ortodoxos são difíceis de conceituar para muitos, estamos tão acostumados com os limites da medicina ocidental, seguimos o que conhecemos sem muita consideração pela medicina alternativa.

Os seus argumentos incluem o fato de que a placenta definitivamente não é atraente. Com a placenta anexada, eles devem ser ainda mais cuidadosos com o bebé. O meu filho decidiu que ele nem sequer seguraria o bebé até que a placenta tivesse desaparecido. Eu li artigos que diziam que era insalubre, até mesmo incivilizado. Online, descobri que os médicos especulam sobre a possibilidade de uma infecção, mas não encontrei nenhum estudo para verificar essa preocupação.

Se o cordão é cortado ou não, ele cai naturalmente. Um velho ditado, "Se não está avariado, não conserte", vem à minha mente quando penso no nascimento lótus. Não houve absolutamente nenhuma falha no modo como Deus concebeu parte do processo, desde a concepção até ao nascimento, até a amamentação. Nenhum processo precisa ser manipulado, tudo foi lindamente orquestrado. Recentemente, encontrei uma citação de Lao Tzu que dizia: "A natureza não se apressa, mas tudo está pronto". Este provador de chá confirmou-me que a natureza não precisa da minha ajuda, ela funcionará perfeitamente por conta própria.

O nascimento lótus deve ser considerado por novos pais devido aos benefícios para a saúde que um bebé recebe da transferência completa da placenta. Isso cria uma transição mais suave para um recém-nascido. Ele encoraja a ligação e pode tornar um bebé mais pacífico e sereno, pois evitam uma experiência de nascimento traumática.

Nos dias que se seguiram ao nascimento, o Cordão Ashton tornou-se muito seco e quebradiço como um galho. No quinto dia, o cordão quebrou. A placenta foi separada e parte do cordão permaneceu conectada. No nono dia, a parte restante do cordão caiu. O processo acabou. Não causou nenhuma infecção ou desconforto para o bebé.

Não estou a tentr forçar a minha experiência em ninguém. Mas partilhei minha experiência porque, em todos os mistérios da reprodução e do parto, isso fazia sentido para mim. E, felizmente, como planejei, correu bem.

O que acha desta prática?

Partilhar no Facebook
141 141 Partilhas

Fonte: ayoyeglobal · Crédito foto: ayoyeglobal