Viral : 13 coisas que hoje em dia são impensáveis, mas que antes eram normais.
Que acha? Deixe o seu comentário aqui.  

13 coisas que hoje em dia são impensáveis, mas que antes eram normais.

Impensável hoje em dia

Publicado por Vamos lá Portugal em Viral
Partilhar no Facebook
34 34 Partilhas

Muitas vezes pensamos que o mundo está a evoluir e que era melhor antes, mas está longe de ser o caso. Há muitas coisas que eram consideradas normais numa época, mas que hoje seriam inúteis, arriscadas, cruéis ou simplesmente terríveis. Aqui estão 13 exemplos:

Automedicação de cocaína para dor de dentes 

No século XIX, a cocaína começou a ser usada para tratar os dependentes da morfina, depois descobriu-se os seus efeitos analgésicos. Aí, a cocaína tornou-se, rapidamente, um “remédio milagroso” para o cansaço, dor de dentes e alergias ao pólen.

Enviar filhos por correio 

No início do século XX, não só era possível nos Estados Unidos, como também era legal enviar bebés por correio. Se o peso da criança não excedesse o peso autorizado de uma encomenda normal, podia envia-la aos seus familiares por este meio.

Gaiolas para bebés nas paredes de casa 

Na década de 1930, era muito comum na Inglaterra deixar os bebés respirarem em gaiolas de ferro anexadas às janelas.

Gnomos decorativos 

No século XVIII, havia uma moda estranha na alta sociedade: os burgueses contratavam homens para viver como gnomos em cabanas no meio dos seus jardins. Estes “anões eremitas” eram proibidos de cortar o cabelo, a barba e as unhas, sendo tratados como objetos decorativos.

Procedimentos médicos completamente absurdos 

O que antes era considerado um método normal, era um verdadeiro horror hoje em dia. Cupping foi considerado seguro, mercúrio era administrado contra a sífilis, e os enemas do tabaco eram comuns no século XVIII para reanimar os pacientes. No século XIX, o famoso ortopedista, Lewis Sayre, até demonstrou como endireitar a coluna de um paciente suspendendo-o num gancho.

Brinquedos radioativos 

No início dos anos de 1950, os perigos da radioatividade foram subestimados nos Estados Unidos. Para além disso, os “minilaboratórios” de brinquedos, onde pequenas quantidades de urânio foram usadas para fabricar os artigos, abriram portas. E esses brinquedos eram, frequentemente, oferecidos a crianças…

Jardins zoológicos humanos 

Na altura, as pessoas de África e da Ásia eram expostas em jardins zoológicos como animais selvagens. Esta foto é do ano de 1958, na Bélgica.

Fotos com mortos 

O crescimento da fotografia foi tal que até mesmo as pessoas com rendimentos modestos podiam tirar fotos de momentos importantes. Muitas pessoas usaram-nos para ter memórias de gente que lhes era querida e que já tinham morrido. Eles vestiam o falecido com as suas melhores roupas e arranjavam-nos o melhor possível. Aqui estão os pais a posar ao lado da sua filha falecida.

Colecionar membros humanos 

Hoje em dia pensamos que apenas as pessoas perturbadas têm uma coleção de membros humanos. Mas até há não muito tempo, ainda era um hobby perfeitamente aceitável entre os ricos que expunham os seus bens com orgulho. Na foto abaixo, vemos um veterano americano ao lado de um crânio pertencente a um soldado japonês.

O tabaco era recomendado durante a gravidez 

Em meados do século XX, os efeitos nocivos do tabaco não eram conhecidos e fumar era visto como um passatempo elegante e saudável. Até mesmo os médicos aconselhavam as mulheres grávidas a fumarem, e as empresas de tabaco aproveitaram a oportunidade para produzir publicidade para esse fim.

Escoamento de sangue 

Da antiguidade até ao século XIX, perder uma certa quantidade de sangue de vez em quando era visto como benéfico e revigorante para os seres humanos e animais. Era pensado ser uma cura para uma grande variedade de doenças e males. Com uma faca, cortavam o braço e deixavam escoar até um litro de sangue. Hoje, há evidências de que esta prática não tem benefícios e apenas enfraquece o paciente e prejudica a sua saúde.

Estadias horríveis em hospitais psiquiátricos 

Os primeiros hospitais psiquiátricos não foram construídos com o objetivo de tratar os pacientes, mas para prendê-los. Eram abusados e usados como objeto de estudo em experiências desumanas. Vários visitantes pagavam entrada nos asilos para divertirem-se ao ver os “pacientes”.

Cosméticos radioativos 

Durante muito tempo, a radioatividade foi considerada algo chique e adicionada em muitos produtos do quotidiano, como cosméticos. A empresa Tho-Radia adicionou-a nos seus perfumes, cremes, pós e batons.

Então, ainda tem a opinião de que antigamente era tudo melhor?

Partilhar no Facebook
34 34 Partilhas

Fonte: barouf
Crêdito foto: barouf

Goste/partilhe