Ela tinha um cancro terminal e só queria morrer com dignidade. E recebeu uma ajuda para isso!

O médico com coração de ouro resolveu cumprir o último desejo da sua paciente, sem olhar a regras e indo contra tudo o que estudou.

Partilhar no Facebook
881 881 Partilhas

Esta história é muito emocionante, se trata da vida e da morte de uma senhora que não queria mais passar por situações degradantes e muito menos dar trabalho para os seus entes queridos. Quando ela descobriu que seus rins não iam bem e que necessitaria de cateteres, ela pediu ao médico Marco Deplanoque a ajudasse a pôr um fim nesse sofrimento.

Contra tudo e contra todos, principalmente contra a ética da sua profissão, Marco que é um médico urologista em Sardenha, na Itália, apesar de jovem, seguiu seu coração e se emocionou com o estado e a história da sua paciente. 

Depois da consulta emocionante, ele resolveu escrever a seguinte mensagem no Facebook.

“Hoje me chamaram de outra secção para uma consulta. Era algo bastante rotineiro, uma paciente idosa com câncer que precisava de um cateter. Ela tinha cerca de 80 anos, e possuía um cabelo bem cuidado e uma manicure bem feita.

‘- Bom dia.

– Bom dia, doutor.’

Olhei para o seu relatório e fiz um reconhecimento.

Seus rins não estavam indo tão bem e ela não podia urinar normalmente, então tínhamos de colocar um cateter nela. Isso iria resolver o problema, mas a idosa teria de carregar dois sacos pendurados em eu corpo (ela já tinha um no estômago, pois havia sido operada ao intestino).

‘- Desculpe doutor, isso significa que eu vou ter que levar os sacos pendurados para todo o lado?

– Sim, infelizmente’.

Houve um silêncio, e nós nos sentamos lá em até que ela olhou para mim e sorriu.

‘- Posso lhe perguntar seu nome?

– Deplano.

– Não, eu o seu primeiro nome.

– Marco

– Marco, um nome muito bonito. Você tem alguns minutos?

– Claro.

– Eu já estou morta, você sabia?

– Não… sinto muito, não entendi!

– Eu morri há 15 anos, quando meu filho de 33 anos morreu de um ataque cardíaco. Eu morri com ele naquele dia.

– Sinto muito.

– Eu morri naquele dia com ele, e depois morri novamente quando fui diagnosticada com câncer. Mas agora, eu não quero mais nada. Meus outros filhos e meus netos estão bem. Agora eu quero encontrar meu falecido filho. Qual é o sentido de viver alguns dias com alguns sacos no meu corpo, e dar tanto sofrimento e trabalho extra aos meus entes queridos?

Eu quero manter minha dignidade. Você se sentiria ofendido se eu decidir não colocar o cateter? Estou cansada, eu deixo a minha vida nas mãos de Deus. Diga-me a verdade: vou sofrer?

– Não, você não vai sofrer, e pode fazer o que quiser, mas se você colocar os dois sacos…

– Marco, não. É a minha vida, eu decidi. Se você quiser me ajudar, tire esses tubos de mim para que possa ir para casa e comer gelados com meu neto’.

Suas palavras me fizeram sentir frágil, como se tivesse arrancado as pétalas de uma flor, uma a uma. Esqueci tudo, meu cansaço, minha frustração, e minha raiva.

Eu esqueci todos os meus anos de estudo, os milhares de páginas que eu li e todas as regras. Senti a frágil e desarmado perante a morte!

Eu me virei e comecei a escrever no relatório para a enfermeira não ver as lágrimas nos meus olhos. Eu estava emocionado, algo que não acontece muitas vezes.

 ‘- Marco, eu lhe comovi?

Sim, um pouco, desculpe…

– Não, não faz mal, isso é bonito, obrigada. Faz-me sentir importante. Ouça, você vai me fazer um último favor? Se meus filhos lhe chamarem ou gritarem por mim, me ligue para eu lhes pedir para parar. Escreva no relatório que eu estou bem, de acordo?

– Sim, vou fazer isso.

– Só mais uma coisa mais.

– Claro!

– Você é especial, eu sei que você está indo para ir embora. Me dê um beijo como você teria feito se fosse meu filho, ok?

– Claro!

– Vou rezar por você e pelo meu filho. Espero que nos encontremos de novo.

– Eu, também, muito obrigado.

Nesse momento, a mulher era a pessoa mais bonita do mundo, brilhando, me senti tão seguro com essa mãe e avó. O amor mais autêntico… Ela me deu a lição mais importante da minha vida com palavras simples. A morte é a última fase da vida. Não há nenhuma razão para sentir medo e ansiedade.

Essas coisas não se aprenderem quando estudamos. Eu me senti tão pequeno e impotente naquele momento. O sofrimento faz parte do amor, e às vezes une mais as pessoas do que o próprio amor.

As palavras simples podem ser mais potentes do que a medicina moderna. Faça o que fizer, lembre-se do que é importante em vez de gastar muito tempo com coisas que, no final, não significam nada”.

Ele sabia que poderia ser o fim da sua carreira, mas mesmo assim, resolveu levantar a bandeira do amor e atender ao pedido da idosa que só queria passar os seus últimos dias tomando sorvete com o neto e se sentindo digna frente a irremediável morte.

E você, acha que o médico agiu certo? Compartilhe com seus amigos médicos para saber qual seria a reação deles. 

Partilhar no Facebook
881 881 Partilhas

Fonte: historiascomvalor · Crédito foto: historiascomvalor